segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Foi-se o tempo

Houve um tempo em que tudo era trevas, tudo era amargo e nada supria. Houve um tempo em que eu não era eu, eu era apenas começos ou términos. Foi a tempos atrás, não muito distantes. A fases difíceis não é mesmo? Hoje ao acordar não vi o sol, momento favorito do dia quando acordo e abro as janelas. Também não vi flores, onde se encontram na minha estação favorita do ano. Não vi uma rotina. Eu sabia que o tempo tinha passado como um piscar de olhos. E anos depois me senti mulher. Mas não qualquer mulher, me senti muito mais mulher do que antes. São quase 24 anos e não dá pra acreditar em tudo que foi vivido até aqui. Quantas vezes você já parou para analisar parte da sua vida? Já notou o tamanho da sua evolução até aqui? Note-a! 
Não seríamos o que somos hoje se decidimos apagar parte do nosso passado. Deixei o café na mesa, peguei a bolsa e corri para aula de violão, estava atrasada já! Estou num momento diferente da vida, ao qual tenho buscado não colecionar sonhos, mas sim realizar. Até aqui nada de novo, apenas uma garota que faz meu coração cantar toda vez que penso na sua alma bonita. Tenho engolido palavras. Não sabia que amadurecer tinha haver com silenciar também. Tá aí uma dificuldade na hora de escrever, ter cuidado com o que o expectador pode pensar e sentir. Quando leio meus autores favoritos como: Clarisse Lispector, Caio Fernando entre outros, eu sinto, eu vivencio eles. Faz parte do escritor passar sua dor, alegria de forma sutil e delicada.
Então vamos partir, janeiro está quase acabando e este é um ótimo mês para dar andamentos a projetos e planos que necessitamos terminar. Desejo-te vida para manusear teu roteiro, tua estrada. Enquanto isso tome um café e use um caderno. Escreva! Começar de alguma forma é importante.





Nenhum comentário:

Postar um comentário