segunda-feira, 7 de abril de 2014

Refúgio

Há vidas que não voltam mais, e isso magoa. Há momentos que são como aguás correntes de um rio de aguás claras e doce em que passam tão rápido que nem ao menos sentimos esses momentos passarem. O fato, é que, em algumas vezes queremos apenas não sermos nós mesmos, queremos estar em outras peles, outras situações, com outras pessoas, outros problemas ou até mesmo, fugir de tudo que relaciona a nós.
É facíl dizer que eu sou alguém e que estou aqui, o problema é saber se esse alguém que eu sou, realmente existe. O inconsciente se faz muito mais presente do que a consciência em si. Para onde posso ir quando não quero ficar? Em que lugar desse mundo posso parar para descansar minha alma , que implora por socorro? Há milhões de fronteiras, de barreiras de subconsciênte que separa eu de mim. Onde posso me encontrar? com quem? quando?
Eu fui desaparecendo aos poucos, mas ainda estou aqui, porque aqui ainda resta um pouco de mim.