terça-feira, 25 de abril de 2017

A luz da minha intesidade

Tenho em mim um vasto sentimento de amor profundo, quando necessário se faz presença, quando assustado recua-se e se fecha como borboleta em seu casulo. Camufla-se nas entre linhas do meu eu. Sou movida de energias, que me abastecem de vida ou morte, dependerá do tipo de energia que me você me fornecerá. Hoje não mais necessito de alguém que me complete como pessoa, mas gosto do olhar que me penetra e fundi minha alma fazendo com que eu me perca completamente dentro de mim. O raso nunca me interessou, nunca me excitou de fato. Gosto do que me avessa, atravessa, do que arrepia e excita a ponto de me fazer entrar em estado de êxtase, mas sem precisar me fazer perder o domínio de mim. Me organize quando necessário, mas permita-se também se perder em meio a bagunça vez ou outra. Viver na superfície nunca foi minha praia, acho as profundezas mais bonitas e verdadeiras e quando me relaciono com um pessoa, preciso acessar as profundezas de cada uma, para sentir sua verdade e singularidade incrivelmente secreta. Intensidade é meu sinônimo.
Permito-me sempre expressar tudo que sinto, desde a tristeza inconsolável até a alegria demasiada. Estou na fase mais bonita, me visto de luz quase todos os dias, mas também sei me vestir de trevas. Reajo com a forma que você me trata, posso te fornecer o mel da minha doçura, mas também posso fornecer o amargo da minha raiva. Já decidiu o que irá despertar de mim hoje?
Seja calor, já tem gente demais sendo inverno.    






quarta-feira, 5 de abril de 2017

Não nasci mulher, me tornei

Hoje gostaria que o texto fosse em primeira pessoa, e será. Fazem 24 anos que eu sou dona das palavras que escrevo neste blog e preciso compartilhar desta evolução. Eu acreditava que com esta idade já estaria casada com uma das três namoradas que tive até aqui, pensava que já estaria com uma carreira de sucesso e ganhando muito dinheiro. Entrar nos 24 anos solteira, terminando a faculdade e em busca da minha integridade é tudo que tenho para o momento. Mas o quero dizer neste dia mais que especial é que eu cresci numa proporção quase que impossível de não ser notada, e hoje eu posso dizer que me tornei uma mulher. Mulher aos 24 anos de idade, daquelas que compreende que nem tudo será na hora que eu quero, que o passado necessita ficar no passado, que quando eu estiver acelerada eu preciso fechar os olhos e conversar comigo mesma. Eu aprendi que eu consigo cuidar de mim e que se eu tiver com muito medo de algo eu vou precisar passar por cima daquilo para conquistar o que quero. Eu descobri também que eu dou conta de muita coisa que eu achava que não dava, que eu serei uma das melhores psicólogas da vida e que para realizar sonhos é preciso correr atrás para torná-los reais de fato. Compreendi que alguns dias serão nublados mesmo, mas, que o sol virá no outro dia. Acima de tudo, eu entendi que eu vou errar algumas vezes com algumas pessoas e coisas, mas que o que realmente importa é não vir a repetir este mesmo erro. Eu achava que já tinha sido muito feliz, mas hoje eu me considero uma mulher extremamente feliz e agradeço ao universo por estar comemorando mais uma vida. Não foram os números que me tornaram mais mulher, foram minhas experiências até aqui. Que eu continue nessa evolução constante e me torne a cada dia mais uma mulher surpreendente. Feliz vida, feliz novo ciclo, feliz amor!



segunda-feira, 13 de março de 2017

Era sol todos os dias do ano

Hoje resolvi ir atrás de noticias suas, acredita nisso? Não sei porque ainda quis saber algo sobre uma pessoa que tanto me magoou. Mas acho que é o excesso de duvidas e perguntas que me faço sempre. Então fui falar com alguém a quem você sempre desabafava de nós, a quem você tinha como seu "diário secreto". Mas ela me contou que não tinha noticias suas desde a época que você decidiu partir da minha vida. E vejo que não foi só da minha que decidiu partir, mas da de muitas outras pessoas também. Eu de fato só queria poder virar essa página da minha vida. Mas a forma como tudo acabou me deixou com mil interrogações e uma ferida que ainda não cicatrizou. Conheço uma porção de gente que sofre desse mesmo mal que eu, e até me sinto confortável por compartilhar de algo semelhante. Engraçado que por conta de uma amiga consegui achar uma rede social sua hoje e vi uma foto recente, de uns três meses atrás aonde você estava sorrindo de frente pro mar. Naquele momento eu senti, saudades, raiva, tristeza e alegria. Então ao invés de chorar e lamentar eu sorri e disse a minha amiga o quanto você estava linda. Ela brigou comigo! Sempre te achei o ser mais lindo da face da terra (risos). Mas saiba que esse posto não irá durar para toda a vida, afinal a página precisa ser virada. O que percebo disso tudo, é que quando uma história termina resolvida, quando a gente entende o motivo de um rompimento é muito mais fácil lidar com este luto.O difícil mesmo é quando as coisas simplesmente se vão sem deixar explicações ou rastros. Mas tudo bem, este fantasminha que carrego comigo a alguns meses já está de malas prontas para partir também e com ele você irá junto. Fico bem em saber que de alguma forma em algum lugar você está bem, afinal você foi minha grande paixão arrebatadora da vida. Todo mundo tem uma e isso é importante para nossa evolução na vida. Enquanto isso aguardo ansiosa a sua partida porque não ta dando certo procurar você nas pessoas que conheço, nos lugares que frequento e no time que torço. Já passou da hora de te colocar no lugar de onde você já deveria estar a algum tempo e aqui vai restar apenas as lembranças do seu lindo sorriso e de um tempo que fazia sol todos os dias do ano.






segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Aquele verão

Ela andava pelas ruas da avenida mais exuberante de São Paulo, que de tanta beleza e diversidade de cores e amores tornou-se sua avenida favorita no quesito “lar”. Avenida Paulista, dezembro de dois mil e tantos...Olhava então vitrines, livrarias, bares e cafés a procura de um lugar para aconchegar-se em vida. Havia luzes por toda parte por conta do clima natalino que se fazia presente na cidade mais caótica deste imenso país. Acomodou-se então em um café de esquina com a Rua Augusta, pediu um expresso médio e pegou seu livro favorito para distrair-se. Alguns milésimos de segundos depois, aproximou-se da mesa uma garota de cabelos enrolados, olhar fixo e jeito sutil, perguntando se poderia compartilhar de sua mesa, pois todas estavam ocupadas. Paulistano realmente adora um café! Ao olhar para a linda moça de voz suave e cabelos enrolados, sorriu timidamente e pediu para que ficasse a vontade para que dividissem o mesmo espaço. Entre um café e outro, uma música e outra ao fundo do estabelecimento que insistia em repetir “John secada-Angel” as duas moças trocaram gostos em comum, sorrisos e infinitas expressões faciais. E assim passaram-se incríveis quatro horas e meia de conversas paralelas e admirações absolutas. E no final do acaso encontro de almas, um beijo doce para selar o começo de uma vida esplendidamente compartilhada na selva de pedras mais intimista da cidade de São Paulo.





segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Foi-se o tempo

Houve um tempo em que tudo era trevas, tudo era amargo e nada supria. Houve um tempo em que eu não era eu, eu era apenas começos ou términos. Foi a tempos atrás, não muito distantes. A fases difíceis não é mesmo? Hoje ao acordar não vi o sol, momento favorito do dia quando acordo e abro as janelas. Também não vi flores, onde se encontram na minha estação favorita do ano. Não vi uma rotina. Eu sabia que o tempo tinha passado como um piscar de olhos. E anos depois me senti mulher. Mas não qualquer mulher, me senti muito mais mulher do que antes. São quase 24 anos e não dá pra acreditar em tudo que foi vivido até aqui. Quantas vezes você já parou para analisar parte da sua vida? Já notou o tamanho da sua evolução até aqui? Note-a! 
Não seríamos o que somos hoje se decidimos apagar parte do nosso passado. Deixei o café na mesa, peguei a bolsa e corri para aula de violão, estava atrasada já! Estou num momento diferente da vida, ao qual tenho buscado não colecionar sonhos, mas sim realizar. Até aqui nada de novo, apenas uma garota que faz meu coração cantar toda vez que penso na sua alma bonita. Tenho engolido palavras. Não sabia que amadurecer tinha haver com silenciar também. Tá aí uma dificuldade na hora de escrever, ter cuidado com o que o expectador pode pensar e sentir. Quando leio meus autores favoritos como: Clarisse Lispector, Caio Fernando entre outros, eu sinto, eu vivencio eles. Faz parte do escritor passar sua dor, alegria de forma sutil e delicada.
Então vamos partir, janeiro está quase acabando e este é um ótimo mês para dar andamentos a projetos e planos que necessitamos terminar. Desejo-te vida para manusear teu roteiro, tua estrada. Enquanto isso tome um café e use um caderno. Escreva! Começar de alguma forma é importante.





segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Relatos de um adeus!

Foi estranho como tudo foi se acabando, na verdade nem sabemos ao certo se acabou pois o sentimento invasor fica dentro da gente como primavera, que de tempos em tempos floresce para mostrar que aqui você ainda existe. 
Lembro-me que você sempre insistia para que eu escrevesse sobre você, e hoje em meados de 2017 estou te descrevendo, quase seis anos depois. Talvez não como você gostaria mas cá estou. E me vem milhões de memórias e recordações de nós, da nossa velha casa e da nossa recente vida. Penso comigo: será que você ainda me lê?
Talvez perder você foi a maior perca, ou certamente foi a maneira de nos encontrarmos dentro de nós. A maior nostalgia que sinto é dos nossos olhares no sofá daquela sala onde você buscava sempre me acalmar de todo o caos, de toda tempestade. Você sempre foi boa nisso! Na verdade você sempre foi a única. É, errei muito, erramos! Mas eu te sinto e acredito que mesmo pouco, você também me sinta. E isso é o que resta de nós e a única coisa que restará nessa eterna caminhada. Olha só você "namorada", hoje virou poesia. Isso te faz viva aqui. Agora vou indo para não mais voltar, deixei meu carinho registrado pra não se esquecer onde nasce e morre todo o amor.





quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Eu te celebro

Esse ano certamente foi um ano de entregas. 365 dias de altos e baixos, crises existências, quebrar-se e remendar-se com frequência. Eu Quero falar nesse texto em primeira pessoa. Talvez não tenha sido um ano fácil para muitos, talvez tenha sido o melhor ano para alguns. Mas metade das pessoas que conheci e conheço dizem que foi um ano tenso, denso, intenso. E bota intensidade nisso!
O ano que proporcionou um dos maiores reconhecimentos interiores que já vivi até hoje. Onde pude compreender o que era necessário tirar de aprendizado das quedas, desilusões e decepções vindas do outro, de mim. E agora, quase aos 45 do segundo tempo consigo me ver tranquila diante de tempestades de verão. O mar está calmo! Sinal que a lição foi executada com sucesso. E o amadurecimento, amor, compreensão, calma e empatia que tiro deste ano, levo comigo para os próximos anos de vida que virão. Não há nada mais gratificante que estar em paz consigo mesmo e aceitar que independente dos erros, há sempre uma lição a ser tirada e uma nova chance de fazer melhor e diferente. O melhor presente que pude ganhar é a compreensão de que tudo tem um tempo certo para as coisas acontecerem. E que nada acontece por acaso. 
Gratidão 2016!!!