terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Mais por menos

É evidente que a cada pulsar eu me lembre daquele tarde de inverno sobre a varanda.
Era como se nada suprisse a necessidade de te ter só pra mim, e foi quando eu me peguei questionando se eu realmente estava feliz
pois havia menos de você e mais de mim. Menos do teu querer e mais de mim, menos do teu amor e mais do meu, menos da tua presença
e mais da minha. Então me vi em tristeza insolúvel e era uma tristeza mútua vivida por nós. E os passos eram largos e inalcançáveis até a superfície.
Nos afundamos em dores.