quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Vem da alma

Em uma noite dessas parei para refletir sobre nossa essência, vi momentos lindos passar como filme. Vi datas simples que se tornaram importantes, vi teu rosto, teu sorriso, senti teu cheiro e o toque de tuas mãos. Belos eram nossos momentos raros na varanda de casa e o cheiro do amanhecer completamente nua naquela cama em uma manhã ensolarada de domingo onde o sol refletia a nossa grande janela. Em alguns momentos vi teu corpo, teu cabelo negro, tua pele. Senti teu suor, teu corpo, tua saliva. Vida que passa diante dos meus olhos, vida que anseia tua presença, que carrega tua imagem. Vida que incendeia minha alma do prazer que nós sentíamos na nudez de nossos corpos, no acalmar das nossas brigas.
Deito-me agora em profundo sono, de lá só acordo quando essas sensações carregadas de angustias acabarem. Viver sem você, sorrir sem você, estar sem você, me perder sem você. 
Acorde-me quando está tempestade passar.