quinta-feira, 26 de maio de 2016

Faz de mim sua morada

Havia uma doce leveza ao se encontrarem, e uma vontade unica de serem uma da outra, numa entrega súbita de proporcionarem alegria e afeto. Era como ler aquele livro favorito ou até mesmo comer pipoca e brigadeiro no inverno, de tão bom. Certos sentimentos as vezes em sua maioria são combustíveis para nossa alma, onde nos abrigam em sua essência. Eu ainda lembro-me das idas no parque em um dia colorido e você caiu sobre mim na grama e nos beijamos em segredo. Hoje penso que viver relações harmoniosas não é preciso escandaliza-las e escancara-las como um show com platéia lotada. Só se precisa do aconchego recíproco do outro e um caminho que apesar de algumas pedras terão belíssimas flores e uma grama verde regada pela cumplicidade de ambas. Não surpreenda-se com a nossa voracidade, somente ambas sabemos os extremos e a loucura que é estar aqui, quase sem fôlego, remando contra tudo, ainda conseguem-se perder nas folhas secas de outono. Não há vazio absoluto, nem ao menos completude. Há um elo, uma malícia viva e camuflada que nos da um despertar singelo que nos abriga a alma.